Mnemônicos de Direito: OAB e concursos

Você sabe como criar Mnemônicos de Direito e acelerar os estudos?

Existe uma enorme diferença entre usar memória, e usar a memória com inteligência.

Para a maioria das pessoas, a memória trabalha no modo padrão, isto é, quando algo interessa, memoriza.

Uma forma de detectar a maneira como você utiliza sua memória, é perceber qual é o resultado que você obtém ao término dos estudos.

Nesse sentido cabe a pergunta:

Quando você termina de ler um texto, você consegue se lembrar facilmente do que aprendeu?

A resposta mais comum para esse tipo de pergunta é:

“Não me lembro de quase nada”.

É uma resposta comum de 9, em cada 10 estudantes.

Todavia, existem leitores que ao terminarem um texto, não só conseguem se lembrar, como narram detalhadamente aquilo que leram. Portanto, para esses leitores, seria precipitado atribuir um QI acima da média.

Tratam-se apenas de pessoas que em algum momento, aprenderam técnicas de memorização para os estudos. Ou seja, pessoas que aprenderam como usar a memória com inteligência.

Num mundo de muita informação e pouco tempo, é realmente frustrante para um estudante de Direito (ou qualquer outra área acadêmica) terminar de ler um texto, assistir a uma vídeo aula ou participar de um congresso, e horas depois não se lembrar de nada.    

Por mais que você se esforce e consiga um espaço em sua agenda para se dedicar a leitura, gastará muita energia caso não consiga reter o conteúdo na memória.

Nesse caso, como fazer para aproveitar o tempo dedicado ao estudo para concursos?

Bom, existem algumas técnicas de memorização bem interessantes que podem te auxiliar nesse processo. Visto que, uma das mais criativas são os mnemônicos.

O que é um mnemônico?

Mnemônicos são recursos que servem para fortalecer sua memória e facilitar a memorização de resumos de textos.

Sua origem vem do grego mnemonikós, e se refere ao uso correto da memória.

Em outras palavras, é a estratégia utilizada para tornar a memorização mais eficaz. Só para ilustrar, pode ser realizada por meio de:

– Criação de músicas;

– Rimas e

– Associação de imagens relacionadas ao tema que você está tentando aprender.

Um bom exemplo (praticamente inconsciente) da aplicação de mnemônicos, é quando você faz desenhos. Assim como quando você utiliza gráficos para estudar ou fica repetindo a mesma informação várias vezes em voz alta.

Como os mnemônicos funcionam?

A memória é uma das funções mais admiráveis e importantes do ser humano. Ou seja, você não consegue realizar nada, absolutamente nada, sem a participação da memória.

A propósito, é comum encontrarmos informações na memória que nem sabíamos que estavam lá. Assim, imagine que você entra num local e sente um cheiro familiar. Por analogia, sua memória ativará lembranças do dia em que sua avó fez bolinhos de chuva para você. Isto é um exemplo claro de um mnemônico, mesmo que inconsciente.

Se você tentasse, conscientemente, se lembrar desse dia em especial, provavelmente não se recordaria. Decerto, chamamos este fenômeno de paralisia por análise.

No entanto, estímulos nos bombardeiam o tempo todo. E o fato de entrar num local que estimula, por exemplo, nossa memória olfativa, pode nos trazer lembranças de eventos inusitados do passado.

Isso acontece, porque a nossa memória é baseada em estímulos e associações que criamos inconscientemente. Posto que tais coisas nos levam a recordações em nosso subconsciente.

Os mnemônicos, quando usados de forma conscientes, funcionam como facilitadores para um estudante. Por exemplo, recordar o conteúdo necessário para resolver uma questão de Direito Constitucional.

Para exemplificar, imagine que você precisa memorizar os princípios administrativos expressos na Constituição Federal no artigo 37. É provável que nesse caso, bastaria você utilizar o acrônimo [ L.I.M.P.E ] para se lembrar facilmente de:

L – Legalidade

I – Impessoalidade

M – Moralidade

P – Publicidade

E – Eficiência

Como criar mnemônicos de Direito poderosos?

Como você pôde notar no exercício anterior, o segredo para criar mnemônicos simples e poderosos é a criatividade. Além disso, existe uma sequência poderosa de etapas no Curso Avançado de Memorização que defino como diretrizes da memorização.

Ela consiste em:

1 – Estudar meticulosamente o texto jurídico;

2 – Validar o aprendizado (garantir que você o compreendeu);

3 – Organizar (preparar o conteúdo para memorização);

4 – Memorizar (transferir para a memória de longo prazo);

5 – Manutenção (garantir que lembrará por muitos anos).

Os mnemônicos são eficientes e se aplicam a qualquer tipo de matéria. Dessa forma, você pode usá-lo da geografia a matemática, das regras gramaticais a formação óssea do esqueleto. Eventualmente, até no texto de Direito.

Aliás, quando relacionados ao estudo do Direito, os mnemônicos fornecem abreviações inteligentes através de sufixos e prefixos. Em suma, os resultados são impressionantes.

Veja o depoimento de um dos alunos do curso avançado, que passou em 3 concursos para Magistratura:

Para criar mnemônicos de Direito eficiente é necessário ter imaginação e criatividade. Já que é preciso abstrair das palavras, abreviações prefixais que juntas formem uma frase que remeta ao conteúdo.

Em meu sétimo livro, O Cérebro com Foco e Disciplina, batizo este processo como “construção de andaimes”. Em suma, ele consiste em utilizar um conteúdo existente na memória como “suporte” para o novo conteúdo que desejamos memorizar.

estudo e memorização para concurso público

Motivos para usar mnemônicos de Direito

Uma das maiores queixas dos estudantes de Direito é o grande volume de matérias para pouco tempo disponível. Em virtude disso, muitos recorrem a aplicativos para treinar o cérebro. Porém, o problema é que tais aplicativos não resolvem o problema de ler, processar, compreender e memorizar. Em síntese, as etapas: livro > cérebro > prova.

Outro fato inegável, é que por mais que se desenvolvam aplicativos para treinar a memória, para estimular o cérebro, agendas inteligentes e outras parafernálias eletrônicas, mais e mais estudantes reclamam que estão se esquecendo das coisas.

Entenda: nada pode substituir uma memória forte, utilizada com inteligência. Mas calma, a boa notícia é que fortalecer a memória é mais fácil do que você imagina. Nesse sentido, os mnemônicos constituem uma ferramenta auxiliar nos estudos.

Quer aprender como montar mnemônicos de maneira rápida e fácil?

Confira a seguir algumas dicas que criei para você aplicar hoje mesmo nos seus estudos.

Observação: vamos partir da premissa que você aplicou as diretrizes de estudos que expliquei anteriormente e que, portanto, compreendeu os textos que pretende memorizar.

Mnemônicos de Direito Administrativo


Exemplo nº 1:

Para lembrar rapidamente das características que devem estar presentes nos costumes que podem ser aceitos futuramente como fontes do Direito Administrativo, memorize o acrônimo RUCO.

R – Reiterado

U – Uniforme

C – Contínuo

O – Obrigatório


Exemplo nº 2:

Quais são os poderes da Administração Pública?

Para se lembrar facilmente deles, memorize a frase [ iPod divino ]. Nesse sentido, esta frase será um gatilho para ativar a lembrança HI-PO-DI DI-VI-NO, que, por conseguinte, lembrará:

HI – Hierárquico

PO – Polícia

DI – Disciplinar

DI – Discricionário

VI – Vinculado

NO – Normativo


Exemplo nº 3:

Você saberia dizer rapidamente quais são os atributos do poder da polícia?

É muito fácil se lembrar. Para que seja possível, memorize o acrônimo DIS-CO-AUTO, que forma a base para você se lembrar:

DIS – Discricionariedade

CO – Coercibilidade

AUTO – Autoexecutoriedade


Exemplo nº 4:

Você sabe que o agente público irresponsável sofre as consequências dos atos de improbidade administrativa para o agente público. Em princípio, para lembrar quais são, memorize: SU-PER-I-RES.

SU – Suspensão dos direitos políticos

PER – Perda da função pública

I – Indisponibilidade dos bens

RES – Ressarcimento ao erário


Exemplo nº 5:

Você conhece as finalidades dos atos jurídicos em relação aos direitos?

Não? Então vou facilitar sua vida mandando você para M-A-R-T-E, um dos mnemônicos de Direito criativo para você se lembrar de:

M – Modificar

A – Adquirir

R – Resguardar

T – Transferir

E – Extinguir


Exemplo nº 6:

“Vai ser bom em atos administrativos lá na casa da nona”.

Ops… Casa da nona, não! Casa do N-O-N-E-P.

N – Normativos

O – Ordinatórios

N – Negociais

E – Enunciativos

P – Punitivos

Agora vamos conhecer e nos inspirar nos mnemônicos de Direito Constitucional.

técnica de memorização para direito

Mnemônicos de Direito Constitucional


Exemplo nº 1:

Você saberia dizer de memória os fundamentos da República, contidos no primeiro artigo da Constituição?

É fácil, basta memorizar a palavra SO-CI-DI-VA-PLU.

É uma palavra estranha, mas funciona bem.

So – Soberania

Ci – Cidadania

Di – Dignidade da pessoa

Va – Valores sociais do trabalho e da livre iniciativa

Plu – Pluralismo político


Exemplo nº 2:

É comum os baderneiros nas manifestações caírem no CAPACETE de PM.

Calma, é apenas uma forma criativa que encontrei para memorizar as competências legislativa privativa da União, contidas no artigo 20 da Constituição:

C – Civil

A – Agrário

P – Penal

A – Aeronáutico

C – Comercial

E – Eleitoral

T – Trabalho

E – Espacial

P – Processual

M – Marítimo


Exemplo nº 3:

Você conhece as ações que levam a perda ou suspensão dos direitos políticos?

No artigo 16 da Constituição você pode organizar as informações de forma a compor a palavra R-I-C-C-I.

Este acrônimo irá te ajudar a se lembrar de:

R – Recusa a cumprir obrigação imposta a todos

I – Improbidade administrativa

C – Cancelamento da naturalização

C – Condenação criminal

I – Incapacidade civil absoluta


Exemplo nº 4:

Você quer empreender e precisa saber quais são os princípios gerais da atividade econômica, contidos no artigo 170 da Constituição?

Basta você se lembrar de dar um SO-PRO LI-DE-RE BU-TRA

So – Soberania nacional

Pro – Propriedade privada

Li – Livre concorrência

De – Defesa do consumidor e do meio ambiente

Re – Redução das desigualdades regionais e sociais

Bu – Busca do pleno emprego

Tra – Tratamento favorecido para empresas de pequeno porte


Exemplo nº 5:

Existem alguns cargos que são privativos de brasileiros natos. Visto que eles constam no artigo 12, parágrafo terceiro da Constituição.

Para memorizar rapidamente, basta você se lembrar do MP3-COM.

M – Ministro do Supremo Tribunal Federal

P – Presidente e Vice-Presidente da República

P – Presidente da Câmara dos Deputados

P – Presidente do Senado Federal

C – Carreira Diplomática

O – Oficial das Forças Armadas

M – Ministro de Estado da Defesa


Exemplo nº 6:

Neste exemplo abordo a competência legislativa concorrente, que consta no artigo 24, inciso 1 da Constituição.

Um mnemônico criativo é PEN-EU-TRI-FISSURADO, que remete respectivamente:

PEN – Penitenciário

E – Econômico

U – Urbanístico

TRI – Tributário

FI – Financeiro


Gostou dessas dicas de memorização?

Talvez você pense:

“Renato, parece complicado esse sistema de memorização com mnemônicos de Direito, não sou tão criativo (a) assim! ”

Permita-me dizer que a criatividade é uma função presente em seu cérebro. Contudo, é preciso dar asas a sua imaginação para criar um mnemônico de direito que atenda suas necessidades.

Vale a pena investir algum tempo nesta habilidade!

Veja o caso do aluno do meu curso de memorização online, Luiz Alfredo. Mesmo com apenas 23 anos, ele já passou no concurso do TRE-SP.

 

Obviamente, as técnicas de memorização serão inúteis caso você não souber a matéria, ou até mesmo fazer uma prova discursiva. Por isso, listei lá no início as etapas corretas de estudo.

É muito, mas muito importante primeiro entender e aprender o assunto que você deseja memorizar. Sem dúvida, só depois será possível fazer os mnemônicos.

Como resultado disso tudo, o seu estudo será muito mais proveitoso e você evitará os temidos lapsos de memória.

Ah, mais uma coisa: você sabia que o Concurso PRF 2018 teve seu edital liberado? Dê uma olhada neste artigo e quem sabe você não seja o próximo aprovado!

Veja também Como Passar na OAB de Primeira sem estresse.

estudo e memorização para concurso público

Gostou das dicas sobre mnemônicos de Direito?

Acha que elas podem lhe ajudar nos estudos?

Então, compartilhe este artigo nas suas redes sociais com os seus amigos.

Fazendo isso você os ajuda a aproveitar os estudos com essas técnicas.

Viva bem. Lembre bem.

Renato Alves

 

3 Comentários


  1. Eu ralei muito para passar em concursos. Na minha época não haviam as facilidades da internet e informações tão importantes como estas para nos organizarmos. Era uma corrida maluca! Acho difícil uma pessoa com foco de verdade e força de vontade não conseguir seu objetivo com este tipo de mentoria, mesmo online.

    Responder

    1. Eliana, muito obrigado! Fico feliz que tenha gostado do conteúdo. Abraços!!

      Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *