Problemas com a memória?

Agora no mês de Julho tive o prazer de poder conceder uma entrevista para a Revista CocredMais sobre memorização. Busquei abordar seus benefícios para nossa vida cotidiana, como forma de informar sobre o assunto, quem não é familiarizado. Como forma de facilitar o acesso para todos vocês ao conteúdo, transcrevi o mesmo aqui para o blog. Você pode lê-lo sem o menor problema, logo abaixo. 

Com treino e exercícios é possível deixar a sua mente mais forte! 

Esquecer alguma coisa, todo mundo esquece. Não importa a idade, é aceitável que ocorra um deslize ou outro de vez em quando. Quem nunca memorizou uma tarefa e assim que levantou para fazer já tinha esquecido? 

O esquecimento imediato é um fenômeno absolutamente normal e comum. Isto é, diversos fatores, como excesso de informações, excesso de estímulos mentais e falta de sono podem interferir na saúde da nossa memória. Alguns estudiosos sugerem que até o ato de passar por uma porta pode ser a causa dessas falhas.

Mas o ideal, para garantir uma memória de elefante, é investir na prevenção, ou melhor, deixar o cérebro ativo! 

Renato Alves, estudou Ciências Cognitivas e Filosofia da mente pela Unesp, se tornando pesquisador cognitivo nas áreas de aprendizagem, concentração e memória. Em 2006, se tornou o primeiro brasileiro a ser reconhecido com o título de Melhor Memória do Brasil, pelo Guinness Book dos recordes nacionais. Possui um método de memorização patenteado, apresentado em seus livros, cursos, seminários, workshops e treinamentos que ministra por todo o país. 

O recordista, que também é cooperado Sicoob Cocred, conta que nem sempre teve a memória boa. “Na verdade, no passado eu achava que era muito deficitária, porque eu tinha até provas disso. Eu assistia uma aula, por exemplo, e terminada a aula não conseguia me lembrar de muita coisa. Lia livros, textos, apostilas para faculdade e não conseguia entender, não conseguia me concentrar”, conta Renato. 

Tudo mudou quando começou a estudar sobre memorização e passou a praticar os métodos. “Comecei a perceber que aquilo que eu achava que era uma memória ruim, na verdade era uma falta de habilidade em usar a própria memória. Ou seja, existe uma diferença entre usar a memória, que todo mundo usa normalmente o dia inteiro, e usar memória com inteligência. Neste caso, para usar com inteligência depende de você dominar técnicas de memorização”. 

A técnica de memorização não é uma novidade, é utilizada desde a época em que o ser humano não tinha onde escrever.

Na Grécia antiga, os gregos utilizavam os chamados método mnemônicos. Em suma são práticas feitas para expandir a capacidade de memorização no cotidiano. 

O profissional explica que a memória e a memorização são um processo ativo e não passivo. “Se você quer lembrar de um nome, de um endereço, de uma tarefa que você precisa fazer, tem que provocar essa estimulação na sua memória e assim você consegue”, afirma. 

Segundo o especialista, para uma memorização eficaz é necessário uma superestimulação. Como a nossa memória está sendo estimulada o tempo todo, desde o momento em que abrimos os olhos, o processo de memorização precisa de uma superestimulação para fazer com que a memória fique gravada por mais tempo. 

Separamos, junto com o Renato, quatro dicas para aumentar sua performance mental. 

Renato-Alves-na-revista-Cocredmais

1 – Crie uma fotografia mental! 

Crie uma fotografia mental da pessoa que você está conhecendo. Então, quando você estiver diante de alguém, olhe para o rosto dela com curiosidade. Isto é, cuide dos detalhes e visualize mentalmente o rosto dela. Dessa forma, quando você terminar o dia, você consegue fazer um flashback lembrando das pessoas que conheceu, lugares que você visitou, etc. Por analogia, funciona como se estivesse olhando um álbum de fotos. 

2 – Trabalhe com etiquetas mentais! 

A etiqueta metal serve para você lembrar das tarefas e compromissos. Por exemplo, se alguém pedir para você fazer um favor, imagine uma etiqueta colada na testa dessa pessoa com o pedido dela escrito. Então, por exemplo, se a Maria pediu para você enviar um e-mail, imagine no rosto da Maria uma etiqueta com o escrito “e-mail”. E aí, toda vez que você pensar na Maria ou encontrar a Maria na empresa, você acaba lembrando que precisa fazer um favor para ela. Essa etiqueta mental ajuda você a lembrar de tarefas do dia a dia. 

3 – Faça uma pergunta! 

Pergunte sempre, como um mantra, o que eu posso fazer para lembrar? O que eu posso fazer para lembrar do texto, do nome, do compromisso, da tarefa? Ao fazer uma pergunta você coloca o seu cérebro para funcionar e busca uma resposta. Essa resposta que você busca provavelmente será uma superestimulação ou vai gerar uma superestimulação da sua memória. 

4 – Faça uma associação! 

Associe ao nome da pessoa um objetivo ou um cor, crie uma paleta de cores mental. Por exemplo, eu conheci agora Antônio, penso na letra A – de Antônio – e de amarelo, então imagine o Antônio totalmente vestido de amarelo. Esse aqui é o Pedro, o P me lembra cor de pêssego, aí você imagina o Pedro totalmente pintado na cor pêssego. Conheci a Lara, a Lara – laranja. E ao criar essa paleta de cores mentais você acaba tendo mais facilidade para lembrar. Deixe sua criatividade rolar solta e memorize com facilidade! 

Caso deseje comentar algo relacionado a memória que tenha ocorrido com você ou deseje sanar alguma dúvida, sinta-se à vontade. Prometo que irei ler e responder todo mundo. 

Compartilhe também este artigo com seus amigos. Talvez eles estejam com alguns problema recorrentes ao esquecimento e o texto seja de grande ajuda para os mesmos.  

Ah, mais uma coisa, caso deseje ler esta edição da Revista CocredMais completa, clique aqui e acesse sua versão online. 

Viva bem. Lembre bem.

Prof. Renato Alves.

Pesquisador cognitivo, autor do curso Estudo Memorização e dos livros O Cérebro com Foco e Disciplina e Não Pergunte se Ele Estudou. Conferencista e dono do título de Melhor Memória do Brasil.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *