Quando alguém está morrendo

O que falar a um amigo, jovem, alegre, vibrante, mas que se encontra enfermo, talvez morrendo acometido por uma grave doença e que avança para um estado terminal?

Dar conselhos?

Fazê-lo lembrar do passado?

Ajudá-lo a imaginar um futuro que homem nenhum é capaz de imaginar?

O que falar para alguém que talvez esteja morrendo?

Às vezes, nestas horas, penso que o não dizer seja mais forte do que dizer alguma coisa.

Talvez um olhar afetuoso, um gesto de carinho, um abraço bem apertado alimentem e preencham mais a alma do que a mente.

É possível que de forma simples possa mostrar que tudo o que ele viveu valeu a pena.

Que embora nunca lhe tenham dito, a sua presença foi sagrada neste mundo.

Que ele foi o fruto do sonho de seus pais e que, sim, também foi muito importante na vida de muitas outras pessoas.

Um abraço demorado talvez esquente as memórias dos momentos felizes e que, apesar da partida precoce, muitas alegrias foram experimentadas e que, olhando bem, o curto tempo de vida foi muito bem aproveitado.

Um olhar intenso pode acender esperanças de uma terra prometida.

O lugar dos campos floridos, morada dos anjos onde, dizem, encontramos pessoas amadas.

Um lugar onde a experiência é tão extraordinária que não deixa saudades desta velha e surrada terra.

Que o olhar também mostre que se aqui o maior milagre é conseguir viver, lá o verdadeiro milagre é nunca mais sofrer, nunca mais morrer.

Que o gesto de adeus na despedida possa indicar que o tempo dele está acabando e que também é chegando o momento de arrumar as malas.

Que em sua bagagem não aja arrependimentos por conquistas materiais não realizadas.

Casa, carro, dinheiro, empresas pertencem a um mundo de pessoas cegas.

Na sala de embarque para o mundo novo entram apenas memórias.

As melhores memórias. Memórias que formamos sem gastar nenhum tostão.

Que um afago o lembre de não se lamentar por absolutamente nada! Nem por pessoas, nem por coisas ou atos.

Que tenha em mente que ele fez o melhor que pode.

Cadastre-se e receba dicas e materiais toda semana

Obrigado por realizar sua inscrição, acesse seu e-mail e confirme sua cadastro.

Que ajudou quem pode ajudar. Que, se tratou bem ou mal algumas pessoas, foi por instinto, reação, impulso e isso agora não importa mais.

O momento é de vibrar coisas positivas.

Sim, devemos pedir para que não desista de lutar contra a doença, mas seja lúcido se por acaso sentir as forças se esvaírem.

Que a experiência da morte te surpreenda.

Que o seu encontro com Deus seja como realmente deve ser: indescritível!

Que os anjos não o deixem sentir saudades.

E você tem algum conhecido que talvez esteja morrendo acometido por uma grave doença?

Que tal conforta-lo com esse texto? Deixe seu comentário abaixo, ele pode ser uma palavra oportuna que alguém esteja precisando.

Renato Alves é escritor, pesquisador e primeiro brasileiro a receber o título oficial de melhor memória do Brasil. Autor de um método patenteado de memorização que ganhou reconhecimento nacional e já está presente em mais de 100 países.

Quer ter acesso a outras informações? Curta e siga a minha fanpage no Facebook e também inscreva-se no meu canal no Youtube.

1 comentário


  1. Que texto sensacional, meu amigo! A hora da despedida é sempre a mais difícil, não lido tão bem assim com essas coisas. Obrigado pela contribuição, admiro seu trabalho.

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *