Qualquer um pode desenvolver a memória

A dificuldade de concentração é resultado da alta carga de informação, e fica cada vez mais difícil selecionar o que deve ocupar espaço em nossa memória, porém afirmo que qualquer um pode desenvolver a memória com o método certo.

Esse é o tema abordado na entrevista que dei para a Agencia RBS. Confira abaixo:

Será mesmo possível desenvolver a memória?

Agência RBS – Hoje é tudo muito rápido e há muita informação. Qual a importância de ter concentração e memorização?

Renato Alves – As técnicas de memorização nunca estiveram tão em evidência. A memória do ser humano é a mesma, com a capacidade ilimitada de armazenamento. O que mudou foi a informação.

Quanto mais avança a tecnologia, mais informação recebemos e, tendo espaço na memória, assumimos compromissos como faculdade, seriado de TV, esporte, religião, família, relacionamentos.

As pessoas acham que a memória está ficando ruim, quando, na verdade, qualquer um pode desenvolver a memória, mas há muita informação sem tempo satisfatório para processá-la. Então, muitas vezes, memorizamos coisas sem importância.

Agência RBS – O que se pode fazer para administrar isso melhor?

Alves – O principal é a seleção, reconhecer que o volume de informações é maior do que o tempo.

Agência RBS – Quem seleciona a quantidade de informações se torna mais produtivo?

Alves – Se não entramos nesse turbilhão de informações, às vezes inúteis, temos mais tempo para pensar no que se está fazendo, e isso implica em produtividade.

As pessoas me perguntam como fazer para se concentrar no trabalho, atender ao telefone, administrar quem pede um favor e o funcionário do lado conversando. A resposta é tentar se concentrar em uma coisa só.

É possível se concentrar em tudo, só que, você acaba dividindo a energia e não consegue ser satisfatório em nada. Às vezes, a pessoa reclama que não consegue se concentrar na leitura. O problema são as interrupções.

É estimado que uma pessoa tenha quatro ou cinco interrupções por minuto, dependendo do local. Há cerca de 40 ladrões de atenção, que podem desviar o foco em casa ou no trabalho.

Cadastre-se e receba dicas e materiais toda semana

Obrigado por realizar sua inscrição, acesse seu e-mail e confirme sua cadastro.

Agência RBS – É possível desenvolver a memória, por exemplo aumentar a sua capacidade?

Alves – A pergunta básica é: O que eu posso fazer para lembrar de tal coisa? A maioria dos esquecimentos pode ser evitada se a pessoa produzir ações que garantam a recordação. A capacidade já temos, mas desenvolver a memória é um trabalho diário.

Agência RBS – Que tipo de ações?

Alves – Se a pessoa precisa sair do trabalho e passar na farmácia, o que fazer para lembrar disso?

Coisas que a incomodem, como deixar o quebra-sol do carro abaixado. Com aquele quebra-sol que chama a atenção, eu coloco uma mensagem associada a ele, passar na farmácia.

Quando a pessoa sair do serviço e entrar no carro, a primeira coisa que vai chamar a atenção é o quebra-sol. Gosto também da ideia de trocar a aliança de dedo. Trocar de mão e dizer para si porque fez aquilo. Essas são as memórias auxiliares.

Agência RBS – Essas memórias podem trazer problemas?

Alves – Não dá para cair na armadilha de usá-las como memórias principais. Uma aluna derrubou o celular na água e não lembrava o telefone da própria casa. Se você quer gravar um número no celular, tudo bem, mas grave também na memória.

Agência RBS – Como?

Alves – Use o mesmo processo do tempo em que existia apenas a agenda telefônica convencional. Na hora de ligar, olhava-se o número, se repetia e digitava. Se dava ocupado, tinha de olhar novamente.

Para usar o telefone usava-se três memórias: a visual, a auditiva e a sinestésica. Hoje a pessoa pega o celular, clica contatos, acha o nome e liga. Recomendo colocar na agenda, mas, ao discar para esse contato, digitar o número.

Se der ocupado, digite outra vez. Em poucos dias você vai transferir os principais telefones da memória artificial para a natural.

Agência RBS – Tens dicas para quem faz concurso ou vestibular?

Alves – A memorização do texto é determinada pelo que você faz após a leitura. Ninguém memoriza durante. É por isso que, se o telefone toca durante a leitura, você perde tudo o que leu. Faça a leitura e um exercício de interpretação. Se você terminar um livro e for comer uma banana ou assistir TV, vai esquecer mais de 70% do que leu.

Considerações finais

Você gostou da entrevista? Que tal colocar as dicas em prática e começar a desenvolver a memória agora mesmo? Não esqueça de deixar seu comentário aqui abaixo e aproveite para conhecer o meu curso Memória Blindada no treinamento eu ensino a aplicação prática da memorização no dia a dia.

Nas videoaulas on-line eu explicado de maneira simples e objetiva, todas as estratégias que utilizo para não esquecer de nada. Definitivamente é sua hora de ter uma memória mais jovem, forte e confiável:

» Clique Aqui e assista alguns depoimentos de alunos do curso «

Para que você adquira agora mesmo o curso Memória Blindada, e por acreditar tanto na eficiência do meu método, além dos bônus eu ainda lhe ofereço uma garantia especial.

Se em 7 dias, depois de aplicar o método, você não notar melhoras, eu assumo total responsabilidade e devolverei 100% do seu investimento. O que você acha? Clique aqui e saiba mais sobre o treinamento!

Renato Alves é escritor, pesquisador e primeiro brasileiro a receber o título oficial de melhor memória do Brasil. Autor de um método patenteado de memorização que ganhou reconhecimento nacional e já está presente em mais de 100 países.

Quer ter acesso a outras informações? Curta e siga a minha fanpage no Facebook e também inscreva-se no meu canal no Youtube.

Curso Memória Blindada

1 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *